segunda-feira, 24 de junho de 2013

Terminei de ler Novas Lendas Orientais ♥

Biografia do autor: Malba Taham nasceu em 1887 na aldeia de Muzolit, península Arábia, perto da cidade de Meca, um dos lugares santos da religião muçulmana, o islamismo. Foi prefeito da cidade árabe de El-Medina, estudou em cairo e em Constantinopla. Aos 27 anos recebeu uma grande herança do pai, iniciando uma longa viagem pelo Japão, Rússia e índia. Morreu em 1921, lutando pela libertação de uma tribo na Árabia Central.  

Novas Lendas Orientais não segue uma aventura completa, mas sim um conjunto de várias histórias diversificadas, que ao final de cada uma, nos leva a fazer uma reflexão, então não é apenas um livro, mas com ele podemos tirar aproveitamento para nossa vida. Além de que á muitas palavras em Árabe, e o seu significado e de seu uso, achei muito legal, pois também podemos aprender essas novas palavras e um pouco da cultura dos países/ povos e cidades apresentados. Todas as histórias para mim são esplendidas e envolventes, mas á que me chamou mais a atenção foi "A primeira rupia" segue abaixo:

Nas distantes terras do Paquistão, há muitos anos, vivia um honrado mercador, chamado Krivá, viúvo e que tinha apenas um filho de nome Samuya. Krivá, um homem trabalhador, gozava de alto prestígio na comunidade, enquanto seu filho, o jovem Samuya, era leviano, preguiçoso e de péssimo comportamento. Rara era a semana em que este não praticava uma desordem que agitava todo o vilarejo, desgostando o coração de seu bondoso pai. Um dia, ao cair da tarde, Samuya foi chamado pelo pai para uma conversa. Deitado no leito, Krivá recebeu o filho e disse-lhe ter pleno conhecimento de seus vícios e equívocos. Afirmou que, por essa razão, decidira deserdá-lo, uma vez que a fortuna que possuía seria, por certo, dilapidada em festas e orgias quando caíssem nas mãos de Samuya. Diante do espanto que invadiu o filho, Krivá acrescentou que lhe oferecia uma última e única oportunidade para continuar sendo seu herdeiro. Seu filho teria que conseguir, com o seu próprio trabalho, no prazo de três dias, uma rúpia, a moeda corrente. Se assim agisse, seria o único herdeiro da fortuna de seu pai, mas se falhasse, depois da morte deste, seria atirado à miséria e à indigência. Certo de que seu pai, homem de palavra como era, cumpriria sua promessa, Samuya ficou apreensivo. Na presença dos amigos equivocados, porém, foi seduzido pela idéia de iludir o pai, uma vez que lhe emprestaram uma rúpia e sugeriram-lhe que mentisse. No dia seguinte, ao cair da tarde, Samuya apresentou-se diante do pai e entregou-lhe a rúpia que lhe haviam emprestado, dizendo que a ganhara trabalhando. Após segurá-la por alguns instantes, Krivá disse que aquela moeda não havia sido ganha com o seu trabalho, jogando-a ao fogo. Esmagado pela verdade, Samuya retirou-se em silêncio. No dia seguinte, novamente orientado pelos companheiros de vícios, Samuya apresentou-se diante do pai, sujo e mal vestido, fingindo ter trabalhado o dia todo e trazendo nas mãos outra rúpia que lhe havia sido emprestada pelos amigos. Outra vez Krivá disse que aquela moeda não havia sido fruto do trabalho do filho, atirando-a ao fogo. Samuya não protestou e, humilhado, retirou-se. Na manhã seguinte, consciente de que havia errado por duas vezes consecutivas, fugiu da companhia dos amigos e decidiu procurar por trabalho. Abandonando à costumeira preguiça passou o dia auxiliando todos aqueles que encontrava. Trabalhou no período da manhã na colheita da juta e amassando barro para um oleiro. À tarde conseguiu trabalhar no mercado, vendendo ervas aromáticas e, depois, junto ao rio, auxiliou no transporte de pessoas, remando por várias horas. Ao final do dia, quando se apresentou perante o pai, muito cansado, tinha em suas mãos a primeira rúpia que conseguira trabalhando duramente. Mais importante, porém, do que a moeda que trazia nas mãos, era o bem-estar que sentia no íntimo, satisfeito com seu próprio esforço e com a mudança de conduta que percebia em si mesmo. Ao entregar a moeda ao pai, porém, este disse que ela não era fruto de seu trabalho e ia atirá-la ao fogo, o que gerou um incontido protesto de Samuya. Krivá, então, sorriu e disse que isso era a prova de que a moeda era fruto do trabalho do rapaz Pois nas outras vezes Samuya nada havia dito e desta vez protestara, porque aprendera que o dinheiro ganho com o trabalho não deve ser atirado, como palha sem valor, ao fogo do desperdício. Apenas o trabalho honrado nobilita o homem. Somente pelo trabalho o homem pode servir à família, aos amigos e à sociedade.

Não sei se é um livro que agradará a todos, pois cada um tem seu gosto e alendo mais as histórias podem parecer infantis por se tratar de lendas; mas ao meu ver não são apenas meras lendas, por isso o recomendo.

E para terminar Malba Taham nunca existiu, e sim foi inventado por Júlio César de Mello e Solza, professor de Matématica, pedagogo, escritor e conferencionista brasileiro, nascido em 6 de maior de 1895 e passou quase toda a vida no Rio de Janeiro, autor de mai de 10 livros, morreu em 1974 aos 79 anos, em Recife. é isso, e até a próxima.
.BJS DA TIA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário